Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

11.Mai.18

What is life?

Francisco
 Oh life, life; what are you?More than a giver,You take it too Oh life, life; what do you do?Everyone has dreams,That will never come true Oh life, dear life; i still love you!Take off the bad things,Give us the good ones Im no prayer, but im no saint,Im like all the people; Misunderstood Why does it end?Why has it start?Who am i?What is life?  Pequena composição (poema) que escrevi com um ritmo músical. Como não tem audio (ou está propriamente a ser cantado) pode não ser (...)
07.Mai.18

A vida corre mal

Francisco
Sobre a vida sabemos muito pouco. E do reduzido conhecimento, a única certeza é que esta tem o seu fim.  Quando se nasce encaramos o nosso percurso pela primeira vez. Mal ainda abrimos os olhos e o primeiro ato da nossa vitalidade é calçar já as suas sapatilhas e lançar-se por esse trilho desconhecido. É a força jovem de viver, de se manter vivo e não perder nem um segundo da sua caminhada. O recém nascido é que não acompanha a fugacidade do movimento da vida. É lhe (...)
01.Mai.18

Sunshine Blogger Award, e tal :)

Francisco
Para quem me conhece pode estar muito admirado por me ver participar num ''movimento''/''desafio'' proposto por outros. Para quem não me conhece (que acredito todos), pode tirar já a conclusão que não sou uma pessoa de me envolver muito «com estas coisas». A sério, podem pensar isso à vontade, acabei de o dizer.Agora mais sério ainda; é a primeira vez que sou abordado (de surpresa mas mesmo se não fosse o era) para fazer parte de algum projeto existente aqui no Sapo Blogs.Hoje (...)
22.Abr.18

Falling apart

Francisco
Quando comecei a escrever não sabia o porquê de o fazer. Não reconhecia a sua utilidade pois tudo o que apresentava no papel mostrava apenas a mim mesmo. Nada fazia sentido, e, ao invés de ser uma só vez louco por ter os pensamentos que tinha, era-o duas vezes por ler o que me saía da alma.  Até hoje pouca diferença sinto ao me expor cada vez mais, ao mostrar aos poucos quem realmente sou, ou quem gostaria de ser. Para minha surpresa é exatamente o oposto que tinha pensado do (...)
20.Abr.18

Escrever à chuva

Francisco
Conhecem aquele lema em que para se ser feliz temos que sofrer primeiro? Pois bem, não é mentira nem verdade. Porque haveria de ser só a verdade? Só sendo tristes é que reconhecemos a felicidade? Ou se estivermos felizes não o podemos ser mais ainda? Ou porque deveria de ser apenas mentira? Não é quando estamos tristes que, apesar da tristeza, conseguimos sobrepormo-nos a essa situação com um sorriso? Enfim, a realidade é que ajuda muito estarmos em baixo para sermos subjugados (...)
17.Abr.18

...

Francisco
Palavras não sei escrever,Não que não o façaMas não as consigo descrever.O meu pensamento encontra-se perdidoAssim como um beijo feridoO hoje se torna passado,O futuro em lembranças,A vida a andar ao contrárioE eu perdido nas mudanças.
09.Abr.18

Força de (pouca) vontade

Francisco
Algo que sinto muita raiva de mim mesmo é da minha falta de motivação para praticamente tudo. Não sei explicar porque sou assim, nem como me tornei; mas não sei mesmo se fiquei assim ao longo do tempo ou se já nasci com este defeito. Penso ser mais a segunda hipótese porque mesmo em pequeno não me lembro de ser assim tão extraviado e social para considerar que agora seja menos. Sempre fui pouco, essa é que é essa. E não vejo grandes alterações nesse feito para o futuro (até (...)
05.Abr.18

Escrever

Francisco
Aqui mais uma vez me encontro, entre o lápis e a folha de papel. Não peço para estar nesta situação, mas, francamente, não encontro nenhuma melhor para ficar. Sinto um desconforto confortável, um peso suportável, a vida e a morte. Este peso que carrego é apenas o do lápis com que aqui rabisco. O desconforto que sinto é apenas força-lo (o lápis) a escrever o que me vai por dentro. Sobre a vida e a morte ainda nada sei, mas que o anote quando fizer pois estou ansioso por (...)
28.Mar.18

Desacatos interiores

Francisco
Sempre fui muito instável em relação a constatar certezas, principalmente as minhas. A dúvida é algo sempre presente e que me fala muito alto, não conseguindo eu ouvir mais nada. O que não se vai embora são os pensamentos que não se querem calar, que não aparecem para serem apenas pequenos desejos mas sim grandes realidades. Esses discutem entre si, sempre cheios de determinação para se sobreporem em relação àqueles que não lhes interessa. Nenhum ganha, mas quem perde nisto (...)
20.Mar.18

Noites iluminadas

Francisco
Penso em escrever, não interessa o quê, todas as noites. E até o faço muito, mas só na minha mente. Quando me chego perto de alguma forma de guardar aquela composição, simplesmente se evapora. São palavras que surgem, ideias que nascem, músicas que se ouvem e sentimentos que se retraem. Tudo isso escreve por si só, nada faço nem consigo fazer para serem realmente os meus textos. Um plágio mal feito; não lhas caracterizava de outra forma se me perguntassem o que apelidaria (...)