Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

08.Dez.18

Por detrás das palavras

Francisco
Furtivas na sua elegância As palavras escorrem no papel Como tinta numa tela.   Para surgirem basta-lhes o incentivo, As restantes apoderam-se da brecha que provocámos Entre a sensação e a expressão: Um mar de tinta se revela, onde a vida marítima são emoções.   No fundo desse vasto oceano encontram-se borras de tinta Que rabiscámos um dia. Todas elas memórias passadas, Muitas delas sensações sofridas.   Aprendemos com o tempo que o fundo não se enterra mais; Não aumenta (...)
29.Nov.18

Furão (de sentimentos)

Francisco
Alternei o sol pela lua. O dia solarengo pelo ambiente frívolo; A constante suposição de que por detrás da cortina nublada  Estará algo incerto, mutável, coisa de pouco valor pois não se afirma...   Sei eu hoje o que tanto se escondia, Não fosse eu quem se levanta de noite ao invés do dia, Que à lua uiva e que o sol repudia; Um jogo das escondidas, que faço sozinho para meu desalento e não divertimento. (Por aí algures ando perdido).   Pensando não estar longe Tanto (...)
25.Nov.18

O meu lugar

Francisco
Diversas vezes me questiono onde pertenço. Onde faço falta. Mas onde pertenço ainda não sei, e sou eu de quem falta sinto, não o contrário. São raras as vezes que o faço, que penso em ti. O que o faz doloroso é o começo ser interminável. Imagino a minha solidão com companhia. Só eu e tu onde quer que o sol brilhe ou a lua ilumine. Finge a minha mente os teus abraços, os teus lábios nos meus. Ilude-se o meu corpo de os sentir, os meus olhos de te ver. Mas tudo isso sei que (...)
24.Nov.18

Sangue

Francisco
Encontro-me em jardins esquecidos, Emaranhando-me entre ervas e espinhos Sujando as botas de lama e salpicando a rosa que levo branca Encostada ao peito, Ouvindo-me pulsar ao abraçar-me o coração.   Os trilhos por onde caminho apresentam-se abandonados, Os canteiros circundantes tombados, as flores transparentes, sem cores... Prevaleceu o selvagem, onde habitara outrora alguém muito próximo A quem hoje me escuta.  - Irei levar-te a casa!   Não te conheceria, flor minha, se não me (...)
24.Nov.18

Pulsar

Francisco
Intriga-me a vida, do quão simplista se revela.   No colosso oceano, a vida que nele não habita? São os cardumes, voando num céu só deles, Os corais oferecendo cor aos seus habitantes, quais flores num jardim encantado E as estrelas, qual mundo invertido, brilhando de baixo para cima!   Na superfície terrena os bosques, que pintados de verde foram pela vida E preenchidos foram com ela! São os esquilos criando abrigos, Os veados elegantemente caminhando, erguendo os machos as suas (...)
23.Nov.18

Novo projeto

Francisco
Tenho ultimamente me apercebido que as (minhas) palavras carecem de sentindo estando sempre eu fugido. Tudo o que apresento são inícios, por vezes apenas teorias, e vejo-me dizer tanto, sem terminar nada...Em mim habita o medo do fim, do inútil... O receio de que se terminar nada igual irá começar, e emaranho-me em inícios qual arame farpado cortando-me a pele, aos poucos. Um novo inicio origina um novo golpe, mais uma ferida, mais um limbo que fiz existir ao não pertencer à minha (...)
22.Nov.18

...

Francisco
Crava-me fundo as garras O lobo que se escapou das suas amarras!   Os seus olhos vertem sangue Quais lágrimas de dor pungente, A sua boca saliva espuma Qual mar bravio percorrendo a costa!   Por dentro percorre-me a bruma De pensamentos, aos quais não os entendo Pois tudo em mim fez-se nevoeiro; Muralhas que construí, terrenos que plantei...   O lobo atravessa agora o solo singelo Cravando-se em mim, rasgando ferozmente o nevoeiro, Abocanhando-me de uma só vez Deixando-me num total (...)