Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

26.Jan.19

...

(Só existe um silêncio capaz de perturbar a continuidade de uma onda de som...)

 

Calem-se os barulhentos,

Cessem os circos, os palcos e os espetáculos,

Acabem com a raça daqueles que se dizem nascer iluminados

Pois esses de nada sabem!

E escutem... Oiçam... Mas não a mim; isso! Esse mesmo...

Esse silêncio que a leitura provoca, pois a voz que se ouve ao ler é a nossa!

 

Não há andorinhas no mar

Assim como não há peixes nos beirais dos telhados.

A Natureza dentro de si mesma, é Natureza.

O Homem, o Homem nada é e sabe ser,

Desfigurando-se e apodrecendo lentamente 

Tudo isso na tentativa de desvendar se viver vale a pena.

 

Escrevem poesia como quais ciganas que leem a sina,

Correndo atrás do que pensam ser destino,

Ou esmagando e afunilando sentimentos

Tudo isso para se escreverem - Como nem sequer são!

 

Conhece lá o Homem o que sente,

Sabe lá o Homem sofrer ou regozijar-se,

O que tão bem provoca, (e isso não o nego),

É o sentimento que consegue criar; de que não vale nada...

 

Eu já cansado ando, de escrever tanto sobre quem nem sequer conheço.

E se, depois de entregar as minhas escritas, essa pessoa nem sequer se reconhecer?

E se, depois de tantos sonhos fabricar, essa pessoa nem goste de sonhar?

E se, mesmo que conhecendo todas as palavras, das mais ordinárias às formais, essa pessoa preferir ouvir o vento rasgando todos os papeis que carrego das mais belas histórias que o homem poderia contar?

 

Prolongamos o inevitável a cada segundo que a vida se arrasta...

Carregamos um silêncio negro, esse que receamos por obra de algum feitiço iluminar.

Julgando de priori a sua própria existência, assim vive o homem:

Morrendo...

 

9 comentários

Comentar post