Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

24.Dez.18

Chuva

Faço-me de palavras, perdendo-as assim que proferidas;
Não sou nada.

 

Eterna queda, como a da chuva que não cessa, 
Sou mais uma gotícula que se perdeu dos céus
E que caiu na terra;
Não sou nada

 

Transbordo e faço cheias, com os quantos eu's de que me vi separado
Observando-me cair por inteiro, aos bocados... Na terra ficando manchado.
Parte de mim acompanha pequenos riachos, outra encontra simples poças.
Encharco quintais, prados, atiro-me dos céus negros ao encontro do azul do mar ou o verde dos vales
E deixo-me estar, sossegado, ouvindo aquele que me empurra para longe
Mesmo estando quedado no mesmo lugar.
Caio sempre, por mais vezes que me erga... O sonho sempre cede e lá vou eu, das nuvens abaixo...
Não sou nada.

 

De noite sinto conforto, de dia transtorno,
No fim a noite desperta ou o dia adormece,
Levando-me a pensar se a queda é fatal ou um mero tropeço de criança;
Ambos magoados, mas um sorridente e um pouco envergonhado
O outro num silêncio só dele, num mundo de grafite e papel embrulhado.
Sei no fim que me ergo, seja do lamaçal que provoquei ou do mar que encontrei, 
Tudo isso abandono pois as nuvens me chamam, retiram-me o que tenho
Deixando-me sem nada, apenas a garantida queda que uma vez mais aponta.
Escorrego, tropeço, caio e ergo-me... Tudo isto para quê?
Se no fim não sou nada...

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.