Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

20.Abr.18

Escrever à chuva

Conhecem aquele lema em que para se ser feliz temos que sofrer primeiro? Pois bem, não é mentira nem verdade. Porque haveria de ser só a verdade? Só sendo tristes é que reconhecemos a felicidade? Ou se estivermos felizes não o podemos ser mais ainda?

Ou porque deveria de ser apenas mentira? Não é quando estamos tristes que, apesar da tristeza, conseguimos sobrepormo-nos a essa situação com um sorriso?

Enfim, a realidade é que ajuda muito estarmos em baixo para sermos subjugados pelo sentimento oposto. E quase sempre é recitado essa frase ao se atravessar um estado malicioso para o nosso bem estar. Quando estamos felizes não queremos pensar na dor que passamos para lá chegar. Não existe a expressão ''para seres triste, tens que ser feliz primeiro'', até porque essa seria mais mentira que verdade...

Se a dor ou a tristeza é positiva para a angariação da felicidade, porque a ignoramos ou queremos evitar o seu estado? Porque é tão mau estar-se mal? Que olhares são os que me rodeiam, quais pensamentos negros os têm que me fazem arrepiar quando os sinto? Que frio é este que sinto percorrendo o calor da minha tristeza? É assim que realmente ela me atinge de formas que não a aceito. Que me faz sentir mal por estar num estado tão desprezado pela sociedade. 

Mas esta tristeza é minha, não a vossa para a julgarem, para lhe acusarem que não está correta. E porque estaria a vossa felicidade, então? Que razões são realmente as que vos deixam nesse estado? Mentiras muitas delas, ilusões as restantes. Porque é então o meu desprezo pela vossa falsa felicidade considerado já um ataque? Porque não posso eu ser imparcial perante a felicidade, se vocês nem sequer aceitam a tristeza? Eu não vos julgo, ou se o faço é apenas para mim. 

''Está tudo bem?'' claro, aconteceu alguma coisa má para não estar? ''Ah, mas (bla, bla, bla)...'', huh, huh. Que vontade é a vossa de me mostrar o que já eu sei? O que eu faço e sou? Porque está errado só porque não vos parece normal? O que queriam que estivesse a fazer? A ser como todo o estereotipo de pessoa relativamente a diversas ações?

Não sou. Peço desculpa a ninguém porque até agora não vos ofendi do modo como vocês vivem a vossa vida. 

Não me acho o máximo do tipo ''sou diferente'', porque iguais a mim são toda a gente. Eu apenas decidi que lado escolher para realizar esta travessia que é a vida. Não foi o mais bonito, mas eu também nunca fui muito charmoso anyway. Escolhi optar pela deceção, pelas baixas expectativas, pela falta de à vontade social (não escolhi, isso foi um efeito secundário). Optar pela tristeza profunda e negra para assim observar a luz do que for que a consiga emitir e assim apreciar todo o seu brilho. Não me influenciando pela infelicidade dos outros. Não captando as más influências que não me despertam nem de um sono leve quanto mais perturbar a negritude do meu interior com tão fraca iluminação artificial com que ofuscam muita gente.

Não escolho caminhos iluminados pois nenhum me desperta a curiosidade assim como a necessidade que tenho de viver nas sombras. Conseguiria me retirar deste estado algo que não escolhe ser feliz ou triste. A vida livre e espontânea.

Queria que o único olhar fosse o meu para mim mesmo, e observar todas as cores que o preto não reflete e deixa ficar, assim renascendo a minha felicidade.

 

 

 

Então assim termino, escrevendo sob esta chuva salgada que me lava o rosto cansado, que me percorre os lábios sorridentes, que pinga da minha face atravessando todo o meu corpo até encontrar o solo que germina todo o meu ser.