Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

23.Dez.17

O amor

Se eu fosse alguém capaz de viver o sentimento e não a vida em si, então estaria mais perdido do que agora me encontro.

Por serem sentimentos não têm vida, e, se os tentarmos viver, sem gosto por ela teremos se não cumprirmos então o nosso dever de os sentir. A vida é um sofrimento de emoções, sentimentos e de vidas. Da última pois não é só a nossa que importa, temos sempre alguém em que as nossas emoções e sentimentos se espalha, alguém que nos tenta mostrar a vida nesses onde nunca a houve.

Serão mortas tais sensações tão vivas no nosso corpo? Faz-nos o sangue correr nas veias, o coração bater mais, o cérebro focar-se no desvendar de tais mudanças corporais. Não tendo vida não os podemos então considerar de mortos já que são eles a razão dela! Se não a dão, então estão a enganar-nos desde que os sentimos pois a nossa sobrevivência deve-se ao facto de sentirmos e vivermos com as sensações.

Que será o amor nisto tudo? Mais um sofrimento para o nosso corpo, já frágil de tanto desacato emocional que tinha que vir mais um. Talvez ainda menos incompreensível que os outros. Que será o amor nisto tudo? Não que a resposta venha na minha segunda pergunta...

Sofrer por prazer, amar por desgosto, viver no leito do nosso destino, contradições que poderão muito bem ser verdades se víssemos o amor como algo negativo. Amor é vida.

É então o sentimento que é vida, ou o que nos faz viver, ou mesmo os dois se pensarmos no caso. Amor é misterioso por não desvendar como o controlar ou ser controlado, por ser um dos poucos sentimentos que queremos sentir! Queremos nos sentir amados por amar alguém, queremos nos sentir ouvidos, aconchegados nem que seja com palavras mais ternas que sejam se assim o corpo não se conseguir expressar, queremos, e vivemos querendo.

Amar é querer amar e ser amado, viver não no leito do destino mas no seu inicio, começar uma nova história com novas personagens, começar de novo o que já foi começado e não que tenhamos o desfecho dessa história, mas a sua prolongação. Amor é vida.