Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

23.Dez.17

Se vejo, logo existe...?

Já não sei quem fui, nem quem sou e muito menos quem serei.

Ler faz-me escrever o que já está escrito. Pensar faz-me imaginar o que não existe impossibilitando assim a sua escrita. Se eu sou o meu pensamento, então, eu não existo. Sou nada mais que imaginação.

               

Eu existo porque algo me faz existir. O mundo existe porque algo o faz existir. O universo existe, porque algo o faz existir.

Referi no passado, como resumo agora neste texto, que as coisas só existem porque há alguém para as observar, para as fazer existir é preciso haver alguém existindo e observando.

Como pode o que não está a ser observado não existir?

Se não há nada, quem observa para fazer tudo?

Digo isto pois temos as árvores, o mar, o céu, o sol e até mesmo as pessoas. Não precisamos de as ver para saber que existem e que estão lá quando olharmos para elas. Existem assim, sem a nossa presença. Somos o (nosso) centro, mas não somos o universo.

O universo.

Tudo vem dele. As estrelas, os planetas, e nós seres, os vivos e os inanimados. Somos todos frutos da sua existência. Mas para haver existência, não tem então que haver alguém para observar o que supostamente não existe, para o fazer existir? Como todos sabemos as árvores, o mar, o céu e até mesmo as pessoas, existem mesmo sem estarem a ser observadas. O que estará a observar esses para existirem?

O universo. Tudo vem dele.

O universo cria a vida, e, para a fazer existir tem que observa-la, molda-la e até mesmo controlá-la.

Controlá-la? Nós somos o pensamento do universo?

Nem mais, o universo é a mente que controla o mundo. Tendo este então consciência, e mais que isso, tem tudo o que existe e como existe nela.

O que nós observamos que existe, já o universo o imaginou e o fez existir para nós o vermos. Está sempre um passo à nossa frente, pois, se nós somos o seu pensamento, então primeiro que tudo está a origem desse. É assim que vivemos, no passado da mente do universo, tão largo que criou tudo o que vemos hoje e o que veremos amanhã. Quer isso dizer que temos o destino traçado pelo universo? O que acontece já aconteceu e irá acabar quando este assim o decidir? Seremos então personagens criadas na mente deste, com histórias delineadas e as nossas ações traçadas pelo próprio universo?

Somos vontades da sua mente que nos faz existir pois este pensa e observa-nos?

Não. Bem... Como disse, as coisas só existem se houver alguém para as observar. Já sabemos que o universo observa fazendo assim existir o que conhecemos. Mas como é que este existe? Pensando e observando-se a ele mesmo? Mas assim seria como fazem as pessoas, tendo consciência delas mesmo e existindo desse modo pois se observam. Mas se nós não conseguimos existir, nem fazer o que existe realmente existir fazendo isso, como o consegue o universo? Será ele assim tão grandioso que cria a sua própria existência? Como consegue ele existir sem ser observado?

A vida.

Será então? Seremos todos nós, os ''seres insignificantes'' que observam o universo?

Criou-nos o universo para ele mesmo poder ser observado e assim existir?

Nenhuma das perguntas que fiz sei responder. Mas, sei que o universo existe... E que nós também.

 

 

Texto inspirado na leitura do livro de José Rodrigues dos Santos, A chave de Salomão