Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

25.Mai.19

...

Francisco
Desconheço o mundo, e tudo o que vai nele. Nem sei mais se escrevo na língua dos homens Ou se numa outra ilusão criada por eles; Às palavras, contudo, abençoo por existirem, Elas que me enganem, humilhem, escravizem e mesmo me matem! Pois essas sinto-as, sei que é real o que criam e o que causam. Que se dane se apenas eu as saiba ler...   Quantos homens não caminham sobre o mesmo passadiço todos os dias E nunca se chegaram realmente a conhecer? De cabisbaixo, vagueiam (...)
08.Mar.19

Degraus de mentira

Francisco
Jazem moribundos homens pelas estradas, se não já defuntos; Escorrendo-lhes o sangue encarnado ainda quente das veias pavimentando os passeios. Saindo-lhes pelas gargantas, petróleo negro - alcatroando assim a trilha Onde pés bem calçados se fazem aventureiros.   Caminhando entre florestas de cadáveres - Onde réstias da sua existência apenas em lembranças ou fotografias de outros tempos se encontra, Estendem-se pela vista afora todo o tipo de seres Aprisionados de (...)
11.Fev.19

Ser diferente...

Francisco
Vivo um dia inteiro pensando na vida do próximo dia, Em como abordarei alguém na rua, oferecendo um aceno de cumprimento ou um braço estendido. Que direção tomar para alcançar o mesmo local, aquela rua refundida ou entre a algazarra matinal das pessoas pelos cafés, cheios de sorrisos e vozes altas. Pouco realmente muda o dia, mas penso sempre que mudo eu, de algum jeito... Mas sou sempre eu.   Seguro em livros que não leio, imaginando que leria se não fosse eu. Escrevo (...)
26.Jan.19

...

Francisco
(Só existe um silêncio capaz de perturbar a continuidade de uma onda de som...)   Calem-se os barulhentos, Cessem os circos, os palcos e os espetáculos, Acabem com a raça daqueles que se dizem nascer iluminados Pois esses de nada sabem! E escutem... Oiçam... Mas não a mim; isso! Esse mesmo... Esse silêncio que a leitura provoca, pois a voz que se ouve ao ler é a nossa!   Não há andorinhas no mar Assim como não há peixes nos beirais dos telhados. A Natureza dentro (...)
16.Jan.19

Mundo de nadas

Francisco
Corram. Fujam das palavras como quem evade-se do tempo, e sejam mais que tempo nas palavras. Germinem-se gente por dentro e evitem às palavras atribuir sentimentos: Somos mais que isso; o nosso peito assim o sente.   Quantos manuscritos não estão perdidos, quantas cartas não estarão rasgadas, O quê senão puro amor de um canto escuro viu-se libertado?   O constante equívoco entre sentimentos e pensamentos origina a prisão da mente Não reconhecendo mais essa a (...)
12.Jan.19

A ciência da terra, o Deus do homem

Francisco
(...) «A medicina, as comunicações eletrónicas, as viagens espaciais, a manipulação genética... são estes os milagres que hoje contamos aos nossos filhos. São estes os milagres que apresentamos como prova de que a ciência nos trará respostas. As antigas histórias de imaculadas conceições, de sarças ardentes e de mares a abrirem-se deixaram de ser relevantes. Deus tornou-se obsoleto. A ciência venceu a batalha. (...)  «Mas a vitória da ciência costou-nos a todos. E (...)
30.Dez.18

Gostava de saber (que título dar a isto...)

Francisco
Escrevo em papel envelhecido pelo tempo Aquilo que mais vivo sinto, por dentro.   Contradigo o sentimento, fazendo-o de pensamento. Prolongo e antecipo a vida, mas tudo isso apenas na mente.   Esguio, entranho-me dentro da ampulheta que rege a vida e o momento E assim caio, eternamente, em todas as situações e acontecimentos empurrados pelas areias do tempo.   Penso muito no passado, no que poderia ter feito. Mas aquilo que não disse ontem é o que penso ao escrever hoje, (...)
24.Dez.18

Chuva

Francisco
Faço-me de palavras, perdendo-as assim que proferidas; Não sou nada.   Eterna queda, como a da chuva que não cessa,  Sou mais uma gotícula que se perdeu dos céus E que caiu na terra; Não sou nada   Transbordo e faço cheias, com os quantos eu's de que me vi separado Observando-me cair por inteiro, aos bocados... Na terra ficando manchado. Parte de mim acompanha pequenos riachos, outra encontra simples poças. Encharco quintais, prados, atiro-me dos céus negros ao encontro do (...)
24.Nov.18

Sangue

Francisco
Encontro-me em jardins esquecidos, Emaranhando-me entre ervas e espinhos Sujando as botas de lama e salpicando a rosa que levo branca Encostada ao peito, Ouvindo-me pulsar ao abraçar-me o coração.   Os trilhos por onde caminho apresentam-se abandonados, Os canteiros circundantes tombados, as flores transparentes, sem cores... Prevaleceu o selvagem, onde habitara outrora alguém muito próximo A quem hoje me escuta.  - Irei levar-te a casa!   Não te conheceria, flor (...)