Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

29.Nov.18

Furão (de sentimentos)

Francisco
Alternei o sol pela lua. O dia solarengo pelo ambiente frívolo; A constante suposição de que por detrás da cortina nublada  Estará algo incerto, mutável, coisa de pouco valor pois não se afirma...   Sei eu hoje o que tanto se escondia, Não fosse eu quem se levanta de noite ao invés do dia, Que à lua uiva e que o sol repudia; Um jogo das escondidas, que faço sozinho para meu desalento e não divertimento. (Por aí algures ando perdido).   Pensando não estar longe Tanto (...)
25.Nov.18

O meu lugar

Francisco
Diversas vezes me questiono onde pertenço. Onde faço falta. Mas onde pertenço ainda não sei, e sou eu de quem falta sinto, não o contrário. São raras as vezes que o faço, que penso em ti. O que o faz doloroso é o começo ser interminável. Imagino a minha solidão com companhia. Só eu e tu onde quer que o sol brilhe ou a lua ilumine. Finge a minha mente os teus abraços, os teus lábios nos meus. Ilude-se o meu corpo de os sentir, os meus olhos de te ver. Mas tudo isso sei que (...)
24.Nov.18

Sangue

Francisco
Encontro-me em jardins esquecidos, Emaranhando-me entre ervas e espinhos Sujando as botas de lama e salpicando a rosa que levo branca Encostada ao peito, Ouvindo-me pulsar ao abraçar-me o coração.   Os trilhos por onde caminho apresentam-se abandonados, Os canteiros circundantes tombados, as flores transparentes, sem cores... Prevaleceu o selvagem, onde habitara outrora alguém muito próximo A quem hoje me escuta.  - Irei levar-te a casa!   Não te conheceria, flor minha, se não me (...)
23.Nov.18

Novo projeto

Francisco
Tenho ultimamente me apercebido que as (minhas) palavras carecem de sentindo estando sempre eu fugido. Tudo o que apresento são inícios, por vezes apenas teorias, e vejo-me dizer tanto, sem terminar nada...Em mim habita o medo do fim, do inútil... O receio de que se terminar nada igual irá começar, e emaranho-me em inícios qual arame farpado cortando-me a pele, aos poucos. Um novo inicio origina um novo golpe, mais uma ferida, mais um limbo que fiz existir ao não pertencer à minha (...)
18.Nov.18

Just Myself

Francisco
(áudio)   I am a man who walks alone, In this roads i once called home.   I've seen the dark i've seen the light, In my mind, With my own eyes   And in darkness i see a face, My own self, Lost and forgot.   In the light i see a ghost, A mere shadow of his true form.   All and all i'm just myself, Just a man living in both worlds   All and all i'm just myself, A lost soul living in two worlds.
17.Nov.18

Conhecimento

Francisco
Começamos a conhecer assim que abrimos os olhos, e com o tempo a apercebermo-nos de que o 'Eu',  cá dentro, são vários 'Nós'. É de cada um decidir quem saciar, quando o desejo tão humano de querer nos envolve e se espalha. É de cada um escolher se o fará para si, ou se o quer fazer para se mostrar.  O que pensamos, também algo tão humano de se fazer, fazemo-lo com outros, mesmo que isolados. Quem escreve, lê e fala nunca está sozinho, pois já consigo encontram-se centenas (...)
17.Nov.18

Perdição

Francisco
Explicai-me, seguidor de fortunas, na vida em que pregas bela, Onde te encontras? Que vida prometes, àqueles que te seguem, quando derramas o sangue do cordeiro Que sacrificas, manchando a terra com o primeiro sangue inocente, da vindoura guerra?   Ajoelham-se perante ti, com o chamamento que clamaste de Deus! As chamas das velas agitam-se, a cada brandido de voz, Os sinos tilintam, a cada morte que escreves... E o Senhor chora... Pois não foi isto a que ele chamou de homem.   Silencia (...)
11.Nov.18

Chuva

Francisco
Faço-me de palavras, perdendo-as assim que proferidas; Não sou nada.   Eterna queda, como a da chuva que não cessa, Sou mais uma gotícula que se perdeu dos céus E que caiu na terra; Não sou nada.   Transbordo e faço cheias, com os quantos eu's de que me vi separado Observando-me cair por inteiro, aos bocados... Na terra ficando manchado. Parte de mim acompanha pequenos riachos, outra encontra simples poças, Encharco quintais, prados, atiro-me dos céus negros ao encontro do azul (...)
05.Nov.18

Há mar

Francisco
O quão aprendo que se torna em nada... Que quero fazer, onde quero ir? Pergunto-me tantas vezes que me esqueço de avançar.  Dar tempo... Dar tempo... Pronto, já dei. Gostei, foi engraçado... Mas já estou cansado...  Há aquela vontade de mudar, sem que se queira mudar nada. Cansei-me desse cansaço, que em todo lugar fez casa.   A música teve inicio, e o seu acorde musical prolonga-se e vibra, ainda! Nunca fui bom a tocar nenhum instrumento, mas este cá dentro marca o ritmo, (...)
04.Nov.18

Far away

Francisco
I whisper to the wind, And it carries the words, far away.   I sit down on a rock, And i feel how cold it is, there alone.   I hug a tree And no matter how grasp it never leaves its way.   I'm so far away, from where nature is. So far away from where my hearth was.   Been crossing bridges, and watching those rot, at distance. Been finding myself, as lost for everyone else.   I travel light. I carry only myself since the river divided What was mine of someone else.   The rain drops (...)