Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

24.Nov.18

Sangue

Francisco
Encontro-me em jardins esquecidos, Emaranhando-me entre ervas e espinhos Sujando as botas de lama e salpicando a rosa que levo branca Encostada ao peito, Ouvindo-me pulsar ao abraçar-me o coração.   Os trilhos por onde caminho apresentam-se abandonados, Os canteiros circundantes tombados, as flores transparentes, sem cores... Prevaleceu o selvagem, onde habitara outrora alguém muito próximo A quem hoje me escuta.  - Irei levar-te a casa!   Não te conheceria, flor (...)
24.Nov.18

Pulsar

Francisco
Intriga-me a vida, do quão simplista se revela.   No colosso oceano, a vida que nele não habita? São os cardumes, voando num céu só deles, Os corais oferecendo cor aos seus habitantes, quais flores num jardim encantado E as estrelas, qual mundo invertido, brilhando de baixo para cima!   Na superfície terrena os bosques, que pintados de verde foram pela vida E preenchidos foram com ela! São os esquilos criando abrigos, Os veados elegantemente caminhando, erguendo os (...)
01.Nov.18

Segredo

Francisco
Pernoito em pensamentos que faço fartos, A lua ilumina-me os sonhos e as estrelas recolhem-nos Para que possa rever-lhes uma outra vez, Sempre que os recordo.   Para o mais grandioso sonho reservei-lhe a mais brilhante estrela, E ilumina ela os dias que seriam negros, caso se abandonado me deixasse Num qualquer beco escuro sem alegria. Não, esta brilha e eu deixo a noite dar lugar ao dia.   O ser guarda-se no tempo, mas o tempo não tem lugar cá dentro. Sentimo-nos (...)
24.Out.18

Os milionários

Francisco
Como andam eles, a correr pelos passeios, Evitando as importunas poças de água E guiando-se pelo seu estimado relógio Que lhes apresenta os horários com que regem a vida.   Fosse lá eu, no meu perfeito juízo Ligar os sentimentos ao tempo Vivendo momentos calculados E não a vida em si!    Como vivem eles, na mão um dedo de afeto Nos restantes a habilidade da contabilidade; Regendo a vida no tempo, e o tempo que têm de vida. Eu vivo apenas, e o meu tempo é o tempo (...)
28.Set.18

Um canto ancestral

Francisco
Não oiço mais que o vento Suspirando entre as árvores. Escuto, com atenção devida Um riacho à distância, O palrar das aves nos seus próprios dialetos, O mundo todo cantando!   Levo-me a passear em todos estes encantos; Nas flores que tendem a desabrochar revelando a sua beleza e cor, Na antiguidade das árvores e no seu louvor, Na sabedoria do tempo e nos seus contos e histórias. Em mim mesmo, também, Pois oiço-me percorrer esta terra musgosa Onde faço trilho, (...)
04.Set.18

A verdade num olhar

Francisco
Observo-te a dançar, O teu vestido esvoaçando, O vento como teu par.   Deste lado estou eu, Escondido, para não te assustar. Pois a mais bela dança Não quero eu te negar.   Como consegues, O meu canto assim iluminar? De tão grande que é o mundo Como foi uma flor aqui parar?   Rodas as pétalas como tecido, Abraças o vento consentido, Danças em ti e sobre ti E beleza nenhuma existe assim!   Mas tu estás aqui...   Só tu, minha flor, Te apresentas assim. Na (...)