Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

16.Jan.19

Mundo de nadas

Francisco
Corram. Fujam das palavras como quem evade-se do tempo, e sejam mais que tempo nas palavras. Germinem-se gente por dentro e evitem às palavras atribuir sentimentos: Somos mais que isso; o nosso peito assim o sente.   Quantos manuscritos não estão perdidos, quantas cartas não estarão rasgadas, O quê senão puro amor de um canto escuro viu-se libertado?   O constante equívoco entre sentimentos e pensamentos origina a prisão da mente Não reconhecendo mais essa a (...)
23.Dez.18

Uma estrela para pensar

Francisco
Nasce, entre as montanhas tão altas como os céus, Os sonhos de crianças.   Nos seus olhares encontra-se a beleza da juventude, Um brilho que ofusca o pensamento, nele apenas se sente.   Num céu soturno, são eles que dos sonhos criam as suas estrelas Viajando entre elas, qual transporte celestial.   Com o tempo, o brilho vai-se perdendo. Os pensamentos turvam-se com os sentimentos e fazemos aquilo que nunca deveríamos ter feito: Questionar o que sentimos.   Os cumes (...)
18.Nov.18

Just Myself

Francisco
(áudio)   I am a man who walks alone, In this roads i once called home.   I've seen the dark i've seen the light, In my mind, With my own eyes   And in darkness i see a face, My own self, Lost and forgot.   In the light i see a ghost, A mere shadow of his true form.   All and all i'm just myself, Just a man living in both worlds   All and all i'm just myself, A lost soul living in two worlds.
28.Out.18

Mente atribulada

Francisco
Vim ao mundo isento de certezas, de pensamentos e sentimentos. Como única prioridade tive a de respirar. Tão pouco que a vida nos oferece no inicio, Uma caixa de mistérios - que é o nosso ser.   Haverá, certamente, impacientes,  Que a tentarão revelar mesmo antes de conhecer onde é sua a abertura. Precoces para viver, abrem às machadadas o seu ser E no chão se esvaíam sem saberem o que é o quê e o que lhes realmente pertence.   Eu compreendo o receio de nunca se (...)
21.Out.18

...

Francisco
Deixei o homem na rua. Abandonei tal ser para ser-me, então, Sem desejos ou ambições, apenas eu E a criança curiosa a quem dei a mão.   O quanto ele puxa, o petiz! De uma energia inesgotável faz-me cansado, E lá me solta e brinca e salta no prado Enquanto eu descanso e lavo a cara num riacho.   Ah, o quanto não nos fomos iludindo Que a juventude seria eterna, pois a vontade de a ter se igualava a tal. O quanto da vida não fiz, para fazer mais tarde E que agora é (...)
14.Out.18

A poesia não me chega

Francisco
A poesia não me chega. Ou talvez seja eu, que não sirva para poeta. De tantas palavras me vejo sedento Mas de nenhuma tenho realmente orgulho em ser minha.   A poesia não me chega Pois não trago do licor da vida, Fico-me apenas com as palavras rotuladas na garrafa em que é servido, Causando-me náuseas o seu odor pujante, E não o travo forte e amargo de provar essa bebida.   A poesia não me chega Pois amo amores que não me pertencem. Sinto-lhes o aperto forte no peito,
04.Out.18

Nasci para ser nada

Francisco
Nasci para ser nada. Nada fui até aqui.   Assim como as estações do ano Eu passo, sendo algo diferente a cada momento. Assim como as estações do ano, Não paro, vivo em eterno movimento.   Não há dia que passe Que eu seja o mesmo.   Nos sonhos tenros faço-me criança Correndo perdido entre tanto entretenimento Como no baloiço de infância, elevando-me ao encontro do sonho Ou o escorrega de cor da esperança, fazendo-me deslizar dos céus à terra.   Sonhos, (...)
30.Set.18

Não me apetece escrever

Francisco
Não vou escrever. Não me apetece.   Falei e escrevinhei muito Em ouvidos surdos e a leitores cegos.   Não que o surdo não oiça Ou que o cego não leia.   Sou eu que não dou som às palavras Nem forma ou contornos às letras.   Os sons delas proferidos são esquecidos. As palavras não são nada.   Hoje não escrevo, Não me apetece perder-te palavra minha, que só em mim ficas E perduras no caso de por outra não seres assassinada.  
30.Set.18

Vejo-te partir

Francisco
Oiço o ruído distante de uma locomotiva a vapor. Parece aproximar-se, com os seus fumos e coloração negra, para meu desalento. O nervosismo percorre-me, impaciente com o seu destino Mas algo fadado é como se já tivesse acontecido.   Antes de partires, permites-me uma última palavra? Bem sei que não me consegues ouvir, Mas eu tento. Sempre tentei, apesar que nunca o conseguisse ter dito...   Escondo o amor, com medo que ele deixe de o ser. Nunca to disse, que te amava...
17.Set.18

Adeus!

Francisco
Há dias que olhamos para a janela E vê-se apenas o nosso reflexo no vidro. Do outro lado, quem sabe. Neste, nem uma brecha de luz ou aragem.   Um prado verdejante e infinito, É esse o sonho constante. A realidade são quatro muros altos e negros Que nos obscura a alma e os pensamentos, Que nos aprisiona o corpo e limita os movimentos.   Deixarem de vos usar, palavras que digo minhas, Pois me pertencendo estão manchadas de tudo o que é negro E eu anseio por luz e liberdade.