Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

20.Mai.19

Ocean

Francisco
We are like the waves of an ocean. We know we drop, we know we rise - But we just go with the flow. There is little that we can really do. Thats life.
17.Fev.19

Faleci nos teus braços

Francisco
Faleci nos teus braços Assim como quem se afoga no mar. Sucumbindo levemente à vida Até ao instante em que esta me decidiu levar.   Não lutei nem desesperei, mas ali fiquei Caído no teu colo, num abraço (para mim) eterno. Pudesse eu, reencarnado, não sei, Repetir esse abraço, desta vez sentindo-o com afago E não com esta frieza agora dos meus braços.   Fui eu mesmo que me matei. E foi no teu colo onde moribundo me esvaí Com o sangue que te manchou o vestido. O (...)
24.Dez.18

Chuva

Francisco
Faço-me de palavras, perdendo-as assim que proferidas; Não sou nada.   Eterna queda, como a da chuva que não cessa,  Sou mais uma gotícula que se perdeu dos céus E que caiu na terra; Não sou nada   Transbordo e faço cheias, com os quantos eu's de que me vi separado Observando-me cair por inteiro, aos bocados... Na terra ficando manchado. Parte de mim acompanha pequenos riachos, outra encontra simples poças. Encharco quintais, prados, atiro-me dos céus negros ao encontro do (...)
08.Dez.18

Por detrás das palavras

Francisco
Furtivas na sua elegância As palavras escorrem no papel Como tinta numa tela.   Para surgirem basta-lhes o incentivo, As restantes apoderam-se da brecha que provocámos Entre a sensação e a expressão: Um mar de tinta se revela, onde a vida marítima são emoções.   No fundo desse vasto oceano encontram-se borras de tinta Que rabiscámos um dia. Todas elas memórias passadas, Muitas delas sensações sofridas.   Aprendemos com o tempo que o fundo não se enterra mais; N (...)
24.Nov.18

Pulsar

Francisco
Intriga-me a vida, do quão simplista se revela.   No colosso oceano, a vida que nele não habita? São os cardumes, voando num céu só deles, Os corais oferecendo cor aos seus habitantes, quais flores num jardim encantado E as estrelas, qual mundo invertido, brilhando de baixo para cima!   Na superfície terrena os bosques, que pintados de verde foram pela vida E preenchidos foram com ela! São os esquilos criando abrigos, Os veados elegantemente caminhando, erguendo os (...)
05.Nov.18

Há mar

Francisco
O quão aprendo que se torna em nada... Que quero fazer, onde quero ir? Pergunto-me tantas vezes que me esqueço de avançar.  Dar tempo... Dar tempo... Pronto, já dei. Gostei, foi engraçado... Mas já estou cansado...  Há aquela vontade de mudar, sem que se queira mudar nada. Cansei-me desse cansaço, que em todo lugar fez casa.   A música teve inicio, e o seu acorde musical prolonga-se e vibra, ainda! Nunca fui bom a tocar nenhum instrumento, mas este cá dentro marca o (...)
14.Out.18

A poesia não me chega

Francisco
A poesia não me chega. Ou talvez seja eu, que não sirva para poeta. De tantas palavras me vejo sedento Mas de nenhuma tenho realmente orgulho em ser minha.   A poesia não me chega Pois não trago do licor da vida, Fico-me apenas com as palavras rotuladas na garrafa em que é servido, Causando-me náuseas o seu odor pujante, E não o travo forte e amargo de provar essa bebida.   A poesia não me chega Pois amo amores que não me pertencem. Sinto-lhes o aperto forte no peito,
04.Out.18

Nasci para ser nada

Francisco
Nasci para ser nada. Nada fui até aqui.   Assim como as estações do ano Eu passo, sendo algo diferente a cada momento. Assim como as estações do ano, Não paro, vivo em eterno movimento.   Não há dia que passe Que eu seja o mesmo.   Nos sonhos tenros faço-me criança Correndo perdido entre tanto entretenimento Como no baloiço de infância, elevando-me ao encontro do sonho Ou o escorrega de cor da esperança, fazendo-me deslizar dos céus à terra.   Sonhos, (...)
21.Set.18

A lost message

Francisco
Im being taken on the waves of the ocean Like a message in a bottle.   Didin't found yet a place to stay. No one found me yet to read.   Im still lost, and i have this feel That im not to be found.   Inside me there's so much That not even i know it all. Around me, theres a dark sea Stained by all the paint i had, inside me.   Now, all this waves is me, spreading the words That once were mine. And i, im part of the sea, Wild to everyone, away of all the crowd.   A (...)
01.Set.18

Não me oiças

Francisco
No silêncio profundo e na escuridão total, não adianta tentar ouvir ou enxergar um local. Fala, e com a tua luz que te ilumines. Quebra o silêncio que te assola, ofusca o negro que te percorre. Não grites. Mostra compaixão para contigo mesmo, sê tu com mais um sim e mais um não. Não pares. Rega as flores por onde passares, e as suas histórias ouvirás encantado. Umas murcharão, outras lhes darás pouca atenção, mas irás sempre caminhar com um ramo na mão. Não te percas.