Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

24.Nov.18

Pulsar

Francisco
Intriga-me a vida, do quão simplista se revela.   No colosso oceano, a vida que nele não habita? São os cardumes, voando num céu só deles, Os corais oferecendo cor aos seus habitantes, quais flores num jardim encantado E as estrelas, qual mundo invertido, brilhando de baixo para cima!   Na superfície terrena os bosques, que pintados de verde foram pela vida E preenchidos foram com ela! São os esquilos criando abrigos, Os veados elegantemente caminhando, erguendo os (...)
17.Out.18

Odi et amo, excrucior

Francisco
Não sou pleno. Sou, dividido em pensamentos, Hoje algo, amanhã o oposto. Não me compreendo...   Um ser tanto ama, como odeia. Tanto constrói, como destrói. Tanto escreve e tanto apaga E a nada realmente se apega como larga.   Somos vazios, procurando sentidos. Somos sedentos, procurando a saciação. Somos incompletos, dizendo-nos plenos Pois tudo disjunte somos nós inteiros.   Assim dizem, os embriagados da vida. Os sóbrios observam, nos seus (...)
19.Set.18

...

Francisco
Nestas ruas desamparadas faço o meu trilho, Talvez procurando na ironia do destino onde errado com errado Acertará este meu caminho.   Entretanto tropeço, vezes de mais para relembrar ou contar Mas sempre suspiro, de sorriso nos lábios, por mais um buraco ter passado.   Lembro-me de ser sério em relação à vida. Não em relação ao futuro, que nunca o vi para me amedrontar. Mas às ações presentes e o que elas iriam escrever sobre mim no passado.   Iria criar um (...)
27.Ago.18

Larga-me vida! E deixa-me viver...

Francisco
Quem mais que eu terei que ser? Quantas vidas tenho que levar na minha? Silencia-te, oh mundo! Deixa-me ser eu apenas... Para quê todo o ruído que me perturba o trilho, para quê todas as cordas lançadas que me amarram alterando e manejando o trajeto que sigo ou que queria seguir. Para quê? Larga-me, vida... E deixa-me viver. Qual é a tua ideia de prisão, mundo, que dás a vida para nela regozijares-te de prazer. Somos teus prisioneiros, não servos, oh mundo! Tortura-me a alma, (...)
25.Ago.18

Engrenagens da vida

Francisco
Oh! Engrenagens da vida, Quem vos fez assim? Não param um segundo Não abrandam para mim...   Quem vos quer assim, Que ao mundo não pertencem Mas à vida em si?   Que vida tenho eu Se lugar para ela não tenho?   Oh! Engrenagens da vida, Quem vos fez assim? Que receio do mundo têm Para (n)ele não me deixares sentir.   Que vida se vive na vida em si? O respirar sem o ar O pulsar sem pulso E a mente sem onde habitar.   Porque do mais complexo Nos deste a dúvida, E do mais vago
25.Ago.18

A thought about identity

Francisco
I've been thinking about identity, a little more, that is. Kinda fascinating, isn't it? All live things have some sort of personality, that is, being more or less aggressive to the environment. But we, humans, go far more than that simple ''natural'' thinking. We are self conscious, on our acts and behaviours, alone or in a group (well, sometimes...). I've been also thinking on how one should identify himself. How are we different from the person right next to us? What makes (...)
12.Ago.18

Far from being done

Francisco
I'm lost, In this roads i walk; i follow the trail. I notice the tracks, This ain't me walking Is somebody else   The path i've chosen The wind i've felt Was far from being mine   This song i sing, This words i say Are far from being done.   Cause in the end nothing ends, In the start nothing starts, And i still dont know how to write.   Am i still myself, Are this words still mine, Is my life, alive?   What has death have to say To all my mistake Does she laugh?
10.Ago.18

Qual o meu propósito?

Francisco
«In the landscape of spring, There's nothing superior or nothing inferior, The flowering branches grow naturally, Some short, some long»   Dedicando-me um pouco a um tema mais específico do texto anterior, (Parte I), continuo a minha linha de pensamento onde a deixei um pouco vaga. Dirigindo-me à origem, (da hierarquia), existe na natureza também o que existe na organização da nossa sociedade. Aliás, a necessidade (...)
09.Ago.18

Quem sou?

Francisco
«You cant control your thoughts, and you cant control your feelings, because there isn't one controller; you are your thoughts and your feelings» - Alan Watts   Não é ao acaso o post de hoje. Nunca é realmente ao acaso o tema, a data, ou até mesmo a hora que publico, seja o que for. São quase como diria o Mago Gandalf - A wizard is never late, nor is he early, he arrives precisely when he means to. A frase lá em cima encontrei eu, ouvindo uma palestra (de há muitos anos) de (...)
02.Ago.18

Lost in a good place

Francisco
Hear the water flowing, The river is just ahead. The bees and birds fly over, On flowers that once were grass.   Here i lay my body, In a soft land of no one. My mind is right ahead, Swiming in a pool, she just made.   I see deers running in the woods, Squirrels climbing on the trees, The sun shining in the sky, The clouds covering me.   I feel the wind passing by, I feel it touching my skin, I feel it in my face, I feel it in my beard.   What to think i dont know,