Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

Fui. Sou. Serei...

Pensamentos do (meu) mundo.

19.Jun.18

Viajando com a música

Bem, já escrevi um texto sobre as músicas que foram me acompanhando na minha infância e como me moldaram a personalidade para os dias de hoje.

O que ainda não fiz foi mostrar o meu outro lado musical, um pouco mais ''pessoal''? (sendo que as outras também o são...) Bem, definitivamente são músicas que me fazem pensar em assuntos totalmente diferentes dos da atualidade, ou então que me inspiram a querer conhecer melhor diferentes estilos de vida e de devoção, estilos esses que consigo me identificar mais, mesmo sendo de há uns muitos quantos anos atrás.

Posso também dizer que foi ao me identificar com este estilo musical que comecei a ser mais livre de pensamento, mais compreensivo com as coisas, e que, de alguma forma, curaram-me um pouco a alma dos pesadelos que nela vagueavam.

Como no texto anterior em relação ao meu estilo musical, aqui apresento então, igualmente, uma música de um grupo e se possível abordarei um pouco da minha relação com ela.

 

Wardruna

Novamente, apresento esta banda primeiro não por acaso. Wardruna para mim não tem comparação com mais nenhum grupo que irei apresentar aqui. Toda a devoção musical dos elementos da banda para expressarem-se com as ideologias do antigo norte, todo o esforço para recriar uma experiência musical que nos entra na alma e nos faz ficar em transe com as suas palavras e instrumentos.

Wardruna é uma banda que tem muito que se lhe diga. Muitas das suas músicas são poesias retiradas diretamente de poemas nórdicos, com a linguagem igualmente falada (antigo nórdico, ou old norse). Outras tantas são mensagens para as runas, assim como a música apresentada «Raido» é a runa de cavalgar, de 'ride', e todo o poema retrata esse sentimento de viajar, de conhecer o que o rodeia, de acompanhar a sua montada, como que a descobrir como seguir o rumo da vida, sendo o cavalo a aprendizagem para percorre-la (assim como se vai aprendendo a montar e ficando-se melhor a fazer isso). É uma banda mágica, e recomendo vivamente (se gostarem do estilo da música apresentada), a procurarem por mais trabalhos deles, (e igualmente a procurarem as traduções das letras!)

 

Einar Selvik

Ficando completamente hipnotizado pela voz do vocalista dos Wardruna, Einar Selvik, procurei os seus trabalhos a solo e acústicos, das músicas em que ele trabalha. Os sentimentos representados nos seus solos podem-se sentir mais profundos, pois ali é ele consigo mesmo e é a sua interpretação e ideologia que o possibilita criar todo o peso que cada verso carrega ao ser cantado.

 

Einar Selvik & Ivar Bjørnson

Sim, podem já tirar a conclusão que Einar é alguém muito inspirador, pois muitos dos seus trabalhos eu acompanho e admiro sempre como ele os faz. Este grupo musical é um pouco diferente dos dois apresentados, pois para além das músicas folk que apresentam, estão integrados também na categoria (nem sei se é verdadeira) ''Folk Metal'', que utiliza também guitarras elétricas em algumas das suas músicas, assim como ritmos mais 'modernos', sempre com aquele old feeling on it. Esta música está aqui, e nem escolheria outra para apresentar esta banda, tendo como a grande mensagem que lhe podemos retirar «Tre utan rot fell»; Uma árvore sem raízes, cai. Que tanto se pode dizer acerca disso, deixando eu o silêncio a vos apresentar esse verso.

 

Faun

Saindo então do tema nórdico, mesmo Faun sendo um grupo alemão, (que o apresentei tão aprofundadamente pois é um que lhe retiro grandes lições), entro num estilo um pouco menos profundo e mesmo fidedigno com o tempo histórico. Sem lhes retirar o mérito, até porque os apresentei aqui, Faun é uma banda que se foca muito num ritmo musical utilizando a voz e os instrumentos, não lhes retiro tanto fruto como nas bandas anteriores (até porque são estilos e abordagens diferentes) mas deixar um album deste grupo tocar por inteiro, no final algo pesado nos é retirado de cima dos ombros. Não com tanta abundância, mas Faun também tem músicas que adaptaram de poemas ou histórias antigas.

 

OMNIA

 

Não tenho muito a dizer. Querem se mexer muito mas com razão para isso? Não vos retiro mais tempo! 

OMNIA é uma banda que não se foca em nenhum estilo específico, sendo que têm de tudo um pouco, desde músicas em estilo de histórias macabras (Toys in the Attic, recomendo muito!) a mesmo rap.

 

Strella do Dia

Um grupo português! Nada melhor para terminar assim a minha lista. Strella do Dia é um pequeno grupo que anda atualmente a atuar nas feiras medievais de Portugal (e mesmo fora!), e espero me deparar com eles nalguma, pois perdi (não o fiz) boas horas a ouvir as suas músicas gravadas das suas exibições no youtube, mas todos sabemos que ao vivo é mais gostoso. Sério que é assim que se diz? Ou inventei isto agora? Hehe

Se os quiserem acompanhar nas suas apresentações podem acompanhar o facebook oficial da banda.